quinta-feira, 24 de abril de 2008

Juntando os cacos e preparando a viagem para Medellín


Segundo o Renato, tudo bem. O Washington não sabia da determinação sobre os eventuais cobradores de pênaltis, os que sabiam se omitiram, em suma: desleixo total. A pergunta continua sem resposta: quem vai ressarcir o Fluminense do prejuízo de mais de um milhão de reais? Pelo jeito, ninguém se importa, nem a própria diretoria. Cada vez mais distantes as esperanças de que um dia se possa escrever diretoria com D maiúsculo.

Mas o momento agora é de concentração na Libertadores. É preciso ter-se em mente que o Atlético Nacional não é nenhum time bobo. Foi derrotado a duras penas pelo Genérico Paulista e mesmo assim porque a arbitragem deu uma mãozinha, anulando um gol em que o jogador saiu de trás da zaga.

É praticamente certo que na Colômbia eles vão partir para o ataque. E aí é que mora o perigo, ou melhor o perYgor. É inadmissível que ele seja mantido no time, quando existem outras opções muito melhores.

Mantendo e esquema cauteloso do Renato, seria só substituí-lo pelo Roger. Mais experiência, mais classe, mais garra e, sobretudo, nenhuma das costumeiras pixotadas. Um esquema mais arrojado colocaria Arouca e Cícero como volantes. Aliás, no jogo contra o Botafogo, o Cícero deixou claro que é mais marcador do que o Ygor, além de saber sair jogando sem entregar a bola aos adversários. Completando o ataque com a volta do Dodô, o Fluminense teria tudo para se classificar para as quartas.

Outro ponto importante: a inscrição dos atletas para a segunda fase. A saída do Gustavo Nery abriu uma vaga. Talvez seja hora da diretoria parar de sonhar com a volta do Leandro Amaral e colocar outro atleta em seu lugar. Esperar um acordo com o “bacalhau de charuto” é muita inocência.

Torcida tricolor: é preciso que se faça uma corrente efetiva para demover o Renato da mania de considerar o Ygor seu homem de confiança. Nada explica essa obsessão. Vamos ver o que acontece até o dia 30. Vocês já pensaram em organizar um mutirão para raptar o Ygor e só o liberarem após o término da Libertadores? Seria uma boa.

----------------------------------------------------------------------------------

A soberba nunca leva a nada, principalmente no futebol. A comissão técnica e a mídia urubulina deitaram falação sobre a escolha do adversário da próxima fase e que decidiriam durante o jogo se iriam golear ou não a “lasanha”. Passaram um sufoco e agora terão que encarar a viagem ao México. Rala Urubu! Vocês se acham o máximo, mas são sempre goleados pelo Fluzão.

3 comentários:

Tricolor! disse...

Uma dúvida...

O que será que a diretoria tá esperando pra contratar um atacante?

O Dodô ser suspenso pela FIFA?
O Washington se machucar de novo?
Ver como o "cracaço" Somália retorna após todo esse tempo parado?

Ainda que o Dodô não seja suspenso, é necessário ter opções para o ataque, caramba!

Nem que seja um desses "jogadores-revelação" que surgem em times pequenos e podem dar certo ou não.

Será que a diretoria tá de olho nos estaduais que rolam pelo país e na Copa do Brasil??

Helio R.L. disse...

Infelizmente nossa diretoria não pensa. Ou não entende nada de futebol, ou tem outros interesses. Avalizar contratações espúrias como a do Gustavo Nery, Ygor, Fabinho, Pedrinho, etc, deixam aqueles que conhecem um pouco da coisa com a pulga atrás da orelha. As babaquices do Horcades, acho que são próprias de médicos. Estudei por 5 anos ao lado da Faculdade de Medicina e depreendi que os caras, embora sejam feras em diagnosticar, operar, consertar, etc, quando se trata de administração e tudo o mais são meio lentos. Vi uma entrevista do Horcades em que ele disse que contratou um administrador a peso de ouro. Só que só isso não basta, tem que conhecer de futebol e esse cara certamente não manja nada. Vão acabar contratando o Gil porque está dando sopa. E aí o Flu e a torcida vão ter que engolir outra mala. Tomara que esteja enganado.

Tricolor! disse...

Gil??

É um perfil meio Gustavo Nery: famoso, há tempos sem dar certo em lugar nenhum... Acho que a diretoria iria gostar.

Tomara mesmo que você esteja enganado.