sexta-feira, 7 de abril de 2017

Fluminense 2 x 2 Liverpool. Doce dor de cabeça!



(foto: Nelson Perez / Fluminense F.C.)

Com o retorno ao Maracanã a Torcida Tricolor volta a sonhar com as jornadas épicas do time de guerreiros.

E o começo foi mágico. Jogando com autoridade, o Fluminense não tomou conhecimento do adversário, que a rigor teve apenas uma única oportunidade clara de gol naquele rebote infeliz do Cavalieri.

É verdade que Royón estava impedido, mas como a arbitragem não marcou, se a bola entrasse o gol valeria.

Depois, foi só tranquilidade.

Orejuela, Wendel e Sornoza ditaram o ritmo de jogo e com o auxílio de um Wellington endiabrado colocaram os uruguaios “na roda”, que sem forças para reagir não tiveram alternativa a não ser entrincheirarem-se para evitar a goleada.

Cavalieri passou a ser praticamente um espectador privilegiado.

Embora a atuação do primeiro tempo sinalizasse para a possibilidade de algo parecido com os seis a zero aplicados no Arsenal-ARG, também numa estreia internacional, o placar não mais se alterou.

Talvez a precipitação dos jovens na hora de decidir tenha sido o maior fator para tantos gols perdidos.

Pena, porque cabia mais, muito mais.

Destaque maior para Wendel, que não sentiu o peso de jogar pela primeira vez no Maracanã.

Considerado pela mídia como o melhor em campo, mostrou o mesmo futebol vistoso que encantou a todos nos recentes clássicos contra os rivais cariocas.

Se mantiver no futuro as mesmas atuações seguras, poderemos ter o mais habilidoso dos volantes criados na base depois do Deley.

Lá se vão trinta anos e muitos dos torcedores atuais nunca tiveram a oportunidade de ver as equipes tricolores apenas com virtuoses no meio de campo, sem nenhum volante brucutu, do tipo que não conseguem acertar um passe a um metro do nariz.      

Até as equipes vitoriosas, como as recentes responsáveis pela conquista dos títulos de 2010 e 2012 careciam desse jogador.

Que Abel trate de lapidar essa promessa de diamante com muito esmero e não sucumba à tentação de retorná-lo ao banco em razão de sua pouca idade.

Marquinhos Calazans foi outra boa surpresa. Deveria ter mais oportunidades nos times alternativos, pois o que mostrou em poucos minutos foi muito mais do que fazem Maranhão, Osvaldo e Marcos JR quando atuam.

Mas, essa dor de cabeça é problema do Abel.

E que doce dor de cabeça!  Que os deuses do futebol o inspirem em suas decisões.

E DÁ-LHE FLUZÃO!


DETALHES:

COPA SUL AMERICANA – JOGO DE IDA.

Fluminense 2 x 0 Liverpool-URU

Local: Estádio Mario Filho,
Maracanã, Rio de Janeiro, RJ: Data: 05/04/2017
Árbitro: Eber Aquino (PAR)
Assistentes: Juan Zorrilla (PAR) e Dario Gaona (PAR)
Gols: Henrique Dourado, aos 23' e Richarlison, aos 38' do primeiro tempo
Cartão amarelo: Wellington, Richarlison e Henrique Dourado

Fluminense: Cavalieri; Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo (Marquinhos Calazans, 37'/2ºT); Wendel, Orejuela e Sornoza; Wellington (Lucas Fernandes, 26'/2ºT), Richarlison e Henrique Dourado (Pedro, 26'/2ºT). Técnico: Abel Braga.

Liverpool: De Amores; Rodales, Platero, Martín Díaz e Almeida; Gonzalo Freitas, Latorre, Santiago Vieira e De La Cruz (Gustavo Viera, 45'/2ºT);  Aprile (Federico Martinez, 36'/2T) e Royón. Técnico: Alejandro Bertoldi.


Tem retranca? Chama o Wellington!


quarta-feira, 5 de abril de 2017

Fluminense 1 x 1 Flamengo. Eta, Cavalieri!

(foto: Nelson Perez / Fluminense F.C.)

Para um time todo remendado com atletas que praticamente nunca tinham jogado junto a apresentação foi animadora.

A vitória sobre o quase completo Flamengo só não veio por mais uma cochilada geral quase no fim, numa bola não tão difícil de ser agarrada.

Foram dezesseis chutes a gol, nove na direção certa contra treze do Fla, que acertou a meta tricolor apenas três vezes.

Pena a segunda cochilada num Fla-Flu praticamente ganho.

Paciência, ainda teremos vários no decorrer do ano e com um pouco de capricho dos defensores poderemos vencer a maioria.

O jogo de hoje, do mesmo modo que os das rodadas passadas encheram os tricolores de esperança quanto à qualidade de alguns jovens, embora também tenham trazido à baile preocupações com relação a outros que compõem o elenco, incluindo aí alguns veteranos, que inexplicavelmente continuam sendo aproveitados pelo Abel.

O melhor presente para os torcedores foi a confirmação das qualidades de Wendel.

O garoto, que já tinha tido um bom desempenho contra o Botafogo, agora parece ter deslanchado de vez, transformando-se no jogador mais efetivo em campo.

Não sentiu o peso do clássico e comandou o meio de campo com maestria, melhorando a saída de jogo e roubadas de bola que propiciaram contra ataques só não convertidos em gols pela precipitação dos atacantes.

Sua atuação credencia a presença na estreia da Sul Americana, principalmente pelo fato de Douglas vir de contusão e ainda não estar em suas melhores condições físicas.

Fica a torcida para vê-lo ao lado de Orejuela e Sornoza.

A manter o nível dessa atuação, em breve deverá estar encantando a Torcida nas jornadas mágicas que se prenunciam.


E DÁ-LHE FLUZÃO!

DETALHES:

CAMPEONATO CARIOCA – TAÇA RIO – 6ª RODADA

Fluminense 1 x 1 Flamengo
Local: Estádio Kleber Andrade, Cariacica, ES; Data: 02/04/2017
Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda (RJ)
Auxiliares: Luiz Antonio Muniz e Daniel de Oliveira Pereira (RJ)
Gols: Wendel, aos 38' e William Arão, aos 45' do segundo tempo
Cartões amarelos: Wendel, Nogueira, Luiz Fernando e Reginaldo

Fluminense: Cavalieri; Renato (Osvaldo, 36'/2ºT), Nogueira, Reginaldo e Léo; Luiz Fernando, Wendel e Marquinho; Lucas Fernandes, Henrique Dourado (Pedro 26'/2ºT) e Maranhão (Richarlison, 25'/2ºT). Técnico: Abel Braga.

Flamengo: Alex Muralha; Pará, Donatti, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Willian Arão e Diego; Berrío (Cuellar 35'/2ºT), Cafu (Gabriel 12'/2ºT) e Leandro Damião (Felipe Vizeu, 29'/2ºT). Técnico: Zé Ricardo


-------------------------------------------------------------------------------------------------

TAÇA RIO – 5ª RODADA
Madureira 2 x 2 Fluminense
Local: Estádio Guilherme da Silveira, Rio de Janeiro, RJ; Data: 29/03/2017
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Thiago Henrique Neto Corrêa Farinha
Gols: Júlio César (1-0, 6'/1ºT e 2-2, 22'/2ºT), Pedro (13'/2ºT) e Nogueira (1-2, 17'/2ºT).
Cartões amarelos: Marquinho, Nogueira e Henrique

Madureira: Rafael; Rodrigo Raggio, Alex Moraes, Jorge Felipe e Douglas Lima (Wellington Saci, 39'/2ºT); Willian, Keven, Rezende e Luciano (Walney, 30'/2ºT); Geovane Maranhão (Maza, 19'/2ºT) e Júlio César. Técnico: Paulo Cesar Gusmão.

Fluminense: Julio Cesar; Lucas, Nogueira, Henrique e Leo; Luiz Fernando, Marquinho (Marcos JR, 28'/2ºT) e Sornoza; Wellington (Maranhão, 28'/2ºT), Pedro e Richarlison (Lucas Fernandes, 36'/2ºT. Técnico: Abel Braga.

terça-feira, 28 de março de 2017

Fluminense 3 x 0 Macaé. Prenúncio de jornadas mágicas!



(foto: Luciano Belford / AGIF / Lance.com.br)
Li na mídia desportiva alguns comentaristas destacando que o Fluminense de hoje é apenas Richarlison, Sornoza e mais 9.

Alguns são tricolores, pelo menos deveriam ser já que escrevem em sites eminentemente tricolores.

Discordo deles porque acho que cometeram um engano imperdoável.

Então, sem querer ser o dono da verdade, permito-me a impertinência de corrigir o jargão: “O Fluminense de hoje é Richarlison, Sornoza e Wellington”.

Esqueceram ou não prestaram atenção na importância do Wellington, que
 (foto: Luciano Belford / AGIF)
além dos gols e do pênalti sofrido, contribuiu com passes milimétricos que deixaram Lucas e Richarlison na cara do gol em várias oportunidades.

O trio realmente tem desequilibrado, qualquer que seja o tamanho e a fama do adversário.

Destaque-se ainda o empenho de Richarlison e Wellington na ajuda à marcação, fator que não pode ser descartado.

(foto: Nelson Perez / FFC)
 
E outra promessa de craque já começa a dar dores de cabeça ao Abel.


É Pedro, um jogador que pensa a jogada e mesmo sendo centroavante de origem consegue enxergar o companheiro melhor colocado para servi-lo com a mesma dignidade de um garçom dos mais finos restaurantes da cidade.





Alimento a esperança de que Abel mantenha o quarteto na equipe titular até mesmo quando voltar a dispor de Orejuela e Scarpa, porque existem outros candidatos mais adequados a sentarem no banco.

Sobre o jogo, nada mais há para falar, a não ser parabenizar Abel pela coerência ao dar novas oportunidades a Pedro e Wendel depois das participações decisivas contra o Botafogo.

Vitória tranquila, sem sustos e a garantia de vantagem na semifinal.

Melhor que isso, só mesmo o título.

Saudações Tricolores.


E DÁ-LHE FLUZÃO!


DETALHES:

CAMPEONATO CARIOCA – TAÇA RIO – 4ª RODADA

Fluminense 3 x 0 Macaé

Estádio: Giulite Coutinho, Mesquita, RJ: Data: 26/03/2017
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Assistentes: Thiago Rosa de Oliveira (RJ) e Thiago Gomes Magalhães (RJ)
Gols: Richarlison, aos 32' do primeiro tempo; Sornoza, aos 6' e Wellington, aos 17' do segundo

Cartões amarelos: Richarlison

Fluminense: Cavalieri; Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo; Wendel, Marquinho (Nogueira, 29'/2ºT) e Sornoza; Wellington Silva, Richarlison (Marcos Junior, 34'/2ºT) e Pedro (Henrique Dourado, 31'/2ºT). Técnico: Abel Braga.

Macaé: Milton Raphael; Ronaldo, Aislan (Matheus Cambuci, 20'/2ºT), Ramon e Ebert; Alan, Rafinha, Zotti e Rafael Lourenço (Hudson, 20'/1ºT); Marquinho e Jones (Williean, 41'/2ºT). Técnico: Toninho Andrade.