sexta-feira, 28 de abril de 2017

Fluminense 1 x 1 Brasil-RS. Classificação insólita!



Jamais poderia imaginar uma classificação tão sem graça quanto à de quarta-feira passada.

Eliminar um adversário com base numa expulsão aleatória realmente não orgulha a ninguém.

E Abel ainda reclamou das vaias dos bravos torcedores que estiveram presentes a essa demonstração de incompetência.

Não creio que as vaias tenham sido direcionadas a determinados jogadores, afinal não são eles que se escalam.

Normalmente o desagrado é causado por atuações pífias da equipe posta em campo.

E nesses casos, o grande vilão invariavelmente é o técnico.

Abel tem realizado um trabalho brilhante à testa do Fluminense, mas precisa encarar a realidade da quase impossibilidade de obtenção de bons resultados com mescla de atletas que nunca jogaram juntos e com alguns de qualidade duvidosa.

Deveria refletir que a classificação ficou literalmente nas mãos do árbitro e se fosse ele qualquer daqueles senhores que apitaram os jogos das semifinais com o Palmeiras pela Copa do Brasil de 2015, por exemplo, provavelmente estaríamos fora.

Num calendário esdrúxulo como o organizado pela CBF a necessidade de poupar jogadores se impõe, mas o bom senso indica que o descanso de todos os titulares de uma só vez quase sempre acarreta insucesso.

Além disso, escalações de amontoados sem treinamento inibem o aparecimento de jovens revelações, como ficou nítido com Matheus Alessandro, que voa na base e quase nada conseguiu apresentar.    

Contudo se Abel pisou na bola na Primeira Liga, mostrou inspiração para a decisão de domingo, principalmente ao garantir a presença de Wendel, um volante que se mantiver o nível de suas atuações certamente terá oportunidades na Seleção.

Domingo todos no Maraca, para detonarmos a urubuzada.

E DÁ-LHE FLUZÃO!  

DETALHES:

COPA DA PRIMEIRA LIGA – 3ª RODADA

Fluminense 1 x 1 Brasil-RS

Estádio: Los Larios,  Duque de Caxias, RJ; Data: 26/04/2017 
Árbitro: Gabriel Murta Barbosa Maciel (MG) 
Assistentes: Narcio Eustáquio Santiago (MG) e Gianlucca Perrone (SC) 
Gols: Juninho, aos 20' do primeiro tempo e Daniel, aos 5' do segundo
Cartões amarelos: Renato, Nogueira, Marquinho, Luiz Fernando e Maranhão

Fluminense: Cavalieri; Renato, Reginaldo, Nogueira e Marcos Calazans; Luiz Fernando, Marquinho, Daniel (Pierre, 33'/2ºT); Marcos Junior (Matheus Alessandro, 28'/2ºT), Henrique Dourado e Lucas Fernandes (Maranhão, intervalo). Técnico: Abel Braga.

Brasil: Eduardo Martini; Éder Sciola, Evaldo, Teco e Marlon (Itaqui, 14'/2ºT); Leandro Leite, João Afonso e Nem; Juninho (Marcinho, Intervalo), Bruno Lopes (Aloísio, 30'/2ºT) e Rodrigo Silva. Técnico: Rogério Zimmermann

2 comentários:

rbn disse...

Nosso time é muito verdinho, muita juventude inexperiente, tá sentindo o peso da decisão. O urubu simplesmente jogou no nosso erro e na nossa inexperiencia, e só chegou ao gol graças a uma falha inacreditável do nosso beque.

Bola alta foi perda de tempo, porque o elenco urubu é mais alto e mais forte, tinhamos jogar em toque de bola, aquele futebol bonito e objetivo que a mulecada tricolor tem apresentado.

Essa mulecada tem futuro, precisa pegar calo...

Tudo errado, o pior jogo do Fluminense que assisti este ano.

Ninguém acertou um mísero passe de 2 metros, parecia tudo dormindo, enquanto que o urubu tava a mil por hora, roubando bola com uma facilidade incrível.

Os beques urubus não erraram um mísero corte, todos os rebotes caiam em pés urubus, e por sorte nossa, a decisão não ficou já decidida hoje porque os urubus não capricharam nos contrataques, tão fácil que tava o jogo pra eles.

Inexplicável essa apatia, essa lentidão, essa dormencia do Fluminense. Tá certo que tem muito muleque novo ali, mas tava irritante ver como os caras roubavam a bola como tirassem o doce duma criança.

Vamos ver domingo se o Fluminense apresenta aquele futebol que vem jogando este ano. Se jogar metade disso, seremos campeões. Abraço.

Marcio Helio Lopes Dos Reis disse...

Acredito no título domingo que vem, o que aconteceu na primeira partida servirá de exemplo!