terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Reflexões sobre a mídia cretina!


Amigos Tricolores,

Depois da segunda derrota acachapante, pensei que aqueles que tentam implantar de fato a anarquia no tão combalido futebol brasileiro fossem arrefecer um pouco a vociferação de sandices e teorias desconexas.

Mas que nada. Esses “desconstrutores” da notícia sabe-se lá com qual objetivo escuso, continuam a emitir sua verborragia viperina preferencialmente orientada para atacar a imagem do Fluminense.

É lamentável que apesar de todos eles conhecerem sobejamente as causas das chamadas viradas de mesa anteriores __ frisando mais uma vez __ 1966: compra de resultados por Corinthians e Atlético-PR (caso Ives Mendes) e em 1999 transferência de pontos ao Botafogo num jogo em que havia perdido por 6 a 1 para o São Paulo (caso Gama), já detalhados não só em postagens anteriores, como também em sites diversos e em explanações detalhadas de Paulo Vinicius Coelho, conhecido como a “enciclopédia” da ESPN por pesquisar em profundidade os fatos do futebol, continuem mentindo e distorcendo as informações sem o mínimo pudor, embora tenham feito um juramento de não fazê-lo.

São privilegiados por poderem propalar suas inverdades impunemente em nosso país, onde impera o “jeitinho” e a irresponsabilidade, infelizmente.

Por isso, a partir de agora não mais perderei tempo com essa banda desprezível do jornalismo nacional, não sem antes comentar sobre o artigo patético de Fábio Sormani, publicado em seu blog.

Em sua busca insana para justificar o não cumprimento das regras pré-estabelecidas, Sormani faz menção à utilização por parte de Mario Bittencourt de uma passagem no livro “O Pequeno Príncipe” justamente sobre a necessidade do cumprimento dos regulamentos.

Divaga, a partir daí, que em 70 anos, “idade atual do príncipe”, muita coisa mudou e cita como exemplo a segregação racial, na época amparada por lei nos Estados Unidos e hoje não mais.

Acrescenta do auto de sua sabedoria, talvez incontestável para ele: “Senhores, apenas os bitolados, apenas os obtusos, apenas os pobres de espírito entendem que lei é lei e não foi feita para ser compreendida. As leis foram feitas para serem compreendidas, cumpridas e refletidas quando for o caso, pois a humanidade não é estática. O mundo gira, a lusitana roda, e sociedade se modifica. A segregação racial, que era amparada por lei, foi extirpada da vida dos norte-americanos, felizmente, porque os estadunidenses refletiram-na e viram que aquilo era grotesco, como grotesco são aqueles que não pensam.”

E é justamente nesse período que o bravo Sormani se perde. A segregação racial era uma mancha, assim como a escravidão, não só nos Estados Unidos, mas também no Brasil. Uma mancha tão feia, que acabou, foi extirpada, como é frisado no artigo.

Ele só esqueceu-se de dizer que foi extirpada pela mudança das leis porque até que isso fosse feito, segregação racial, escravidão e outras barbáries sempre foram toleradas, justamente porque eram definidas pela lei vigente.

É a mesma coisa agora. Se acham que o regulamento é draconiano, é injusto, que se mude o regulamento, mas enquanto isso não for feito, que se cumpra a lei.

Sem medo do ridículo, Sormani acrescenta ainda que se tivesse João Zanforlin mais uma oportunidade para falar poderia mudar o pensamento dos auditores com essa tese esdrúxula.

Absteve-se, em sua soberba, das declarações do próprio Zanforlin ao final do julgamento: “_Esse era um caso em que nem Cristo salva”. “E que se eu tivesse conseguido esse milagre, as cifras definidas no contrato assinado com a Portuguesa me permitiriam vir morar no Leblon”. (sic)

Ao finalizar, o articulista prevê que o Tricolor saiu perdedor no episódio. Acrescenta que o clube virou motivo de piadas nas redes sociais e que esse prejuízo é intangível.

Ao que acrescento que qualquer eventual prejuízo de imagem será devido unicamente à campanha sórdida daqueles que negam a verdade e aproveitada por gente também sem nenhum escrúpulo.

No final, porém, o Fluminense continuará grande e cada vez maior e com mais aficionados inteligentes que sempre serão capazes de separar o joio do trigo.

E para terminar, pergunto: como considerar o Fluminense perdedor, se ele nem estava sendo julgado?

Perdedores foram vários sim, todos os componentes da mídia sem escrúpulos, que mentem e manipulam de acordo com suas convicções e a Portuguesa, cuja administração liderada por um presidente execrado por seus próprios torcedores e alguns conselheiros do clube escalou um jogador irregular.


O grande vencedor de todo esse imbróglio, porém, e que tem sido blindado pela mídia em geral é o Clube de Regatas do Flamengo, que se não fosse a “bobeada” lusa estaria amargando hoje uma série B incontestável. 



7 comentários:

PCFilho disse...

Excelente, caro Helio.

Feliz ano novo. Que 2014 siga a tradição dos últimos anos pares no Campeonato Brasileiro.

Grande abraço,
PC

ALEXANDRE MAGNO disse...

Honestidade intelectual é uma raridade maior do que o famoso pássaro Dodô.

Anônimo disse...

André,

Fábio Sormani faz campanha sistemática contra o Rio de Janeiro. A falta da praia parece ter afetado seu cérebro que já não era grande coisa, a julgar pela pobreza de seus artigos. Seu ódio indisfarçavel ao Rio de Janeiro tem raízes antigas. Ele está fazendo mais ou menos o que fazem os vândalos nas manifestações pacíficas. Aproveitam o evento para quebrar e promover arruaças. É este tipo de jornalismo que este ilustre anônimo faz. Taca pedras. Somente isto. Tem sido o inimigo mais cruel do Fluminense. Nenhuma palavra deste repulsivo jornalista ao fato da Portuguesa ter vendido dois mandos de campos neste mesmo campeonato, sendo um deles para o Flamengo, clube que se beneficiou de sua queda e o outro o Corinthians contra o qual ele não teria coragem para fazer qualquer comentário depreciativo. Eu quero ver a sua coragem para lembrar, por exemplo, que a "ética" Portuguesa pediu a Fifa punição ao Guarani pela escalação irregular de um jogador. Eu quero ver ele ter a coragem de lembrar que em 1973 a Portuguesa deu volta olímpica comemorando um título que não ganhou em campo. Ele tem coragem ? O que ele sabe fazer é tacar pedras, quebrar vidraças, derrubar caçambas de lixo, quebrar postes e virar carros. Sormani representa junto com Mílton Neves e Mauro César Pereira o jornalismo mais baixo possível. Nível de esgoto.

Anônimo disse...

Fábio Sormani já comemora a ação do MP. Vejam no endereço:

http://esportes.terra.com.br/blog-do-sormani/blog/2014/01/08/justica-comum-pode-manter-portuguesa-na-serie-a-e-devolver-o-fluminense-para-a-b/#comments

Mais um que se julga jurista.

Mais um com ódio mortal do Fluminense.

Ele sabe que a Lusa é ré confessa e comemora uma possível brecha a partir de eventual falha técnica.

Ou seja, o cara comemora a possibilidade da Lusa se safar com uma mentira.

Jornalismo baixo e desprezível.

Anônimo disse...

Sormani é o pior inimigo do Fluminense neste momento. Até mesmo Antero Greco e Mauro Cézar Pereira que iniciaram a campanha contra o Flu agora já estão mais calmos.

A diferença deles para Sormani é que o colunista do Terra é um completo idiota. Não entende nada de futebol e não sabe a diferença entre liminar e decisão definitiva.
Os outros dois são inteligentes. Virtude que não existe em Sormani.

O ódio dele contra o Rio de Janeiro é tão grande que na última sexta-feira já direcionava sua baixaria contra o Flamengo e contra a Justiça Comum.

Ou seja site Terra e Fábio Sormani se merecem.

Anônimo disse...

Este inacreditável Sormani a cada nova notícia muda de opinião. Alguém precisa demiti-lo urgentemente. Primeiro ele acusa o Fluminense de virar a mesa e trata a Portuguesa como coitadinha. E pede para que a Lusa entre na justiça comum. Depois quando uma liminar favorece o Flamengo antes que a liminar favorável a Lusa fosse conhecida, Sormani resolve atacar a Justiça Comum de favorecimento ao clube que ele erradamente chamou de rico(Flamengo). Depois Sormani vibra com a entrada do MP na questão. Julgava Sormani que o MP iria acobertar a Portuguesa tal como faz a mídia paulista. Agora como a conclusão do MP não lhe agradou, Sormani ataca o promotor e insinua que o Fluminense subornou a Portuguesa. Não dá para levar um cara destes a sério.

Anônimo disse...

Flávio Padro é outro que está acusando o Flu de mutreta com a Lusa. Não prova nada como de costume. Blinda o Flamengo e faz acusações sem provas.