quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

A mídia irresponsável volta a atacar o Fluminense!


Sempre que há alguma irregularidade nos campeonatos brasileiros a mídia cretina, encabeçada pela complexada Flapress e outros menos cotados desanda a achincalhar o Fluminense, como se fosse ele o gerador de todas essas idiossincrasias.


Agora que a lambança épica do departamento jurídico da Portuguesa veio à tona, jornalistas mal intencionados  voltam a apontar suas baterias contra o Tricolor, alardeando tratar-se de  virada de mesa.

Para evitar que os tricolores caiam em mais uma esparrela, nada melhor do que a crônica de João Marcelo Garcez, por si só esclarecedora a seguir transcrita.



Decisão Salomônica11 de dezembro de 2013


A se confirmar a manutenção do Fluminense na Série A do Campeonato Brasileiro, em julgamento do STJD possivelmente nesta segunda-feira, espero, embora não acredite, que profissionais da crônica esportiva analisem os fatos e os descrevam verdadeiramente como aconteceram, em vez de se comportarem levianamente, “jogando pra galera” que o clube carioca mais uma vez virou a mesa.


A mídia tem sido tão desleal nesse aspecto que chega a fazer com que os tricolores se sintam constrangidos ante a situação que ora se apresenta, em que o Fluminense não tem uma vírgula de responsabilidade. Vejo muitos torcendo, inclusive, para que o regulamento não seja cumprido – e consequentemente a Portuguesa não perca os pontos, o que constituiria, aí sim, uma virada de mesa – em nome de o próprio clube “pagar a Série B”, aturdidos que estão com uma mentira deslavada repetida tantas vezes até que se tornasse uma “verdade”.

Ao defendermos que o Fluminense jogue a Série B, mesmo ante algo previsto em lei (a perda de pontos pela Portuguesa), estaremos, aí sim, endossando que o clube é devedor de alguma coisa.

Vale lembrar que o meia Felipe, do Fluminense, em caso idêntico, foi julgado por uma infração no mesmo artigo, e numa sexta, pegando dois jogos de suspensão. Viu-se obrigado a cumprir o segundo no clássico Fla-Flu, 48 horas depois.
Então vejamos: o Fluminense recebe o rebaixamento com dignidade, inicia o planejamento para a próxima temporada visando ao acesso, e, de repente, descobre-se que um advogado lá de São Paulo cometeu um erro e que seu cliente, a Portuguesa, por descumprimento de regra, terá de perder quatro pontos. Pergunto: e o Flu com isso? A propósito, fosse quem fosse o 17°, desde que com uma pontuação superior à da Portuguesa, ocuparia o lugar da Lusa. Aliás, fosse o Náutico ou a Ponte o favorecido, será que haveria esta grita toda?
Daqui deste espaço, cumprimento efusivamente alguns poucos jornalistas que vêm descrevendo os fatos como eles realmente são, todos do canal a cabo ESPN Brasil. São eles: Paulo Vinícius Coelho, José Trajano e Mauro Cézar Pereira. Todos eles, apesar de pertencerem a uma emissora com sede na cidade de São Paulo, isentam o Fluminense de qualquer responsabilidade pelo ocorrido.
PVC trouxe à luz, inclusive, os campeonatos de 1997 e 2000 (em ambos o Flu é esmagadoramente acusado pela crônica de integrá-lo sem direito), lembrando que não houve rebaixamento naquele por conta de denúncias envolvendo Petraglia e Dualib (presidentes do Atlético-PR e do Corinthians), e neste último porque o Botafogo só escapou da queda por conta de pontos que ganhou no Tribunal, o que acabou por rebaixar o Gama, que entrou na Justiça Comum.
(assista aqui https://www.youtube.com/watch?v=XIbJR0AK3c4#t=289)
Estes são os FATOS CRISTALINOS, como VERDADEIRAMENTE aconteceram. O resto são palavras irresponsáveis que fazem da maioria da população massa de manobra. Fico feliz que ainda haja profissionais corretos e isentos em um meio que tem se mostrado cada vez mais sujo.


Já outros, desprovidos de qualquer senso crítico, são, em realidade, irresponsáveis, levianos e incitadores de discórdia.Isso nada tem a ver com espírito esportivo ou gozação sadia de bola. 
Mancham, a cada dia mais, um meio que tem se mostrado cada vez mais despreparado.
 A cara de Brasília, aliás. Reflexo de lá.

***

A todos que, a despeito da aplicação correta da lei, ainda assim acharem      que a manutenção do Flu fere o espírito esportivo”, sugiro então uma Série B com Náutico, Ponte Preta, Vasco, Fluminense, Portuguesa e Flamengo, os dois últimos porque, com a perda dos quatro pontos, terminariam atrás do Fluminense, o “favorecido”.

Caem seis e sobem seis.

A Série B de 2014 se tornaria até mais atraente que a própria Série A, com Chapecoense, Figueirense, Criciúma…

E o “espírito esportivo” não seria maculado.

E aí, topam?

***

Em 1997, o jogo sujo da crônica esportiva fez com que o Fluminense fosse achincalhado em todos os estádios em que jogou fora do Rio. Já entrava derrotado, tamanha a hostilidade, o massacre que lhe era imposto.

Repito: ditos jornalistas semeiam discórdia nas tintas e TV e depois pregam de moralizadores quando o pau come nas arquibancadas…

Parem o mundo que eu quero descer.

_______________________________________________________________


Para os mais jovens e aqueles que por um motivo qualquer não acompanharam de perto a evolução dos fatos que geraram a confusão gerada por esses jornalistas de segunda linha, a leitura da reportagem publicada no globoesporte.com esclarece o ocorrido com todos os detalhes. http://globoesporte.globo.com/futebol/times/fluminense/noticia/2013/12/pague-serie-b-frase-que-ganhou-fama-entre-os-rivais-e-persegue-o-flu.html

Caro Tricolor, a origem do comportamento desprezível dos integrantes da Flapressno fundo mesmo é medo de ter que enfrentar o Fluminense em decisões, porque das onze decisões diretas o Fluzão ganhou oito. É mole ou querem mais?

E DÁ-LHE FLUZÃO CADA VEZ MAIOR!

E DE PREFERÊNCIA SEM EDINHO, ANDERSON, FELIPE, MARCELINHO, DIGÃO, DIGUINHO, WELLINGTON SILVA E OUTRAS MALAS!

12 comentários:

Anônimo disse...

Resumindo dentro de campo pra nós não da,mas no tapetão falamos bonito e ganhamos de goleada .

Tricolor! disse...

Prezado Hélio, curioso mesmo observar como jornalistas em geral e esportivos em particular cometem erros crassos. Nesse caso em particular, vejo um misto de sofisma, ignorância e má-fé...

Nível de papo de botequim...

Não se trata de mera opinião.... A Portuguesa tomou ciência através de seu advogado da decisão proferida na audiência. Se houve falha na comunicação entre a Lusa e o causídico, problema do clube. Assim seria em qualquer audiência cível, trabalhista... Foram outorgados poderes ao advogado para representar o clube. Caso não confiasse naquele profissional, que outorgasse poderes a outro, indicando representante "mais confiável" ao julgamento.
O clube terá de arcar com as consequências de seu comportamento desidioso.

Se houve dolo ou culpa do advogado, o clube que busque ressarcimento na justiça comum ou que o denuncie para a OAB, a fim de que sofra punição disciplinar.
Para tanto, terá naturalmente de comprovar suas alegações, por qualquer meio idôneo. Bravatas e frases de efeito não colam.

E se o clube escalou irregularmente... Perde os pontos. Simples assim.
A regra é injusta? Nem acho. Futebol envolve muito dinheiro, uma pena pecuniária poderia ser insuficiente para compelir o clube a abster-se de escalar o jogador suspenso. Dependendo das circunstâncias, muitos optariam por pagar a multa e escalar o jogador irregularmente. Não se trata de defender às cegas o regulamento, por mero apego formalista à sua literalidade. Observe-se que a regra tem por objetivo ser instrumento eficiente a compelir o clube a respeitar as decisões disciplinares. Ninguém escalaria o jogador para obter vantagens esportivas sabendo que poderá perder pontos.

Pouco importa quem poderá via a ser beneficiado com a punição.

É risível o argumento de que o Flu deveria cair, independentemente da punição da Lusa, pra evitar "uma imoralidade", um "tapetão" etc. Vou falar agora algo bem complexo agora: se a Portuguesa vier a perder os pontos... Ela perderá os pontos!
E o regulamento prevê que caiam os 4 clubes com menor pontuação. Ponto.
Não há o que se discutir.

Teremos é que ter muita paciência pra aturar o clubismo/falta de senso crítico e lucidez de raciocínio alheios...

P.S.: no final das contas, não é que aquele golzinho do Samuel no final pode nos ter salvado?

Rodrigo disse...

O interessante é que quando o Flu perdeu Fred, Carlinhos e Bruno, teve de recorrer à base, subir garotos inexperientes, pra compor o elenco, isso pra não ter de escalar jogador irregular !
Agora os times que escalaram jogadores irregulares na cara-dura estão com medo da lei ! Medo da aplicação da regra !
Façam me o favor !!
O que que o Fluminense tem a ver com isso?
O Flu foi péssimo na temporada, merecia ser rebaixado mesmo, mas se teve time burro/amador que fez cagada, que paguem !
Rodrigo

Tricolor! disse...

Apenas um possível aspecto a se ponderar: as consequências do eventual desgaste da imagem do clube.

Estamos sendo maciça e diariamente atacados pelos meios de comunicação. Isso tende a se agravar quando o tribunal fizer o óbvio.

Se fosse presidente do clube, consultaria o departamento de marketing para que se fizesse um estudo acerca do eventual impacto dessa exposição negativa sobre a capacidade de angariar novos torcedores.

O jovem é por natureza demasiado influenciável e inseguro. A opção por um time diuturnamente vilipendiado em redes sociais e demais meios de comunicação requer um grau de personalidade e maturidade que em geral não se tem na idade em que se escolhe um time para torcer.
Pode ter certeza de que nossos rivais diretos têm ciência disso e exploram o fato.

Não acho que essa questão necessariamente seja determinante para uma eventual renúncia ao direito de disputar a série A.

Mas que eu consultaria o departamento de marketing para decidir, isso eu faria.

Fabio Fernandes disse...

Olá, Hélio!
Displicência também indigna! A Portuguesa, deveria pelo menos pagar honorários mais caros para ter um representante/advogado a altura do que exige os julgamentos sempre tão complexos no STJD. www.assuntodofutebol.com.br

Walter Franco Júnior disse...

Infelizmente os profissionais, principalmente os responsáveis pela veiculação das notícias distorcem a história e provocam algoz contra o Fluminense. Dentro da concepção de torcedor do Fluminense em minha opinião não se trata de um beneficio ao Tricolor, mas sim de cumprimento de regras! E se fosse ao contrário? O Fluminense no lugar da Portuguesa. A mídia e outras pessoas não estariam contra nós do mesmo jeito? É claro e evidente que se a Portuguesa perder os pontos o Fluminense não ficaria na primeira divisão pelo próprio merecimento, mas sim por uma irresponsabilidade da própria Portuguesa.
Qualquer um que se integra em um meio, e se, qualquer pessoa ou instituição no mesmo meio não respeitar a regra proposta nesse, ele é considerado um infrator. Você daria razão a um descumpridor da lei. Tropeçar com os próprios pés e colocar a culpa em uma pedra no caminho é fácil, difícil é assumir o erro e dizer a verdade.
Em 2014 o Brasil irá Sediar o maior evento do Futebol Mundial, a Copa do Mundo. Será que vamos dar exemplo respeitando as leis, ou dar ouvidos aos sentimentos feridos?

Tricolor! disse...

Complementando: é viável defender a tese oposta, de que a punição é "exagerada", "desproporcional", devido às peculiaridades do caso concreto e, por isso, atenuar os rigores da norma?

Viável, em tese, até é.

Com toda a imparcialidade do mundo, independentemente dos times envolvidos, não seguiria esse caminho se tivesse que decidir; em minha modesta opinião, essa tese abriria margem para um decisionismo casuístico com grande margem de subjetividade, abrindo um precedente perigoso.

Ademais, não podemos nos afastar do ponto central: ainda que não tenha havido dolo (intenção deliberada) na escalação irregular, certamente houve culpa, por desídia (descuido).

Independentemente da tese jurídica abraçada, o que soa verdadeiramente imoral em todo esse imbróglio é o tratamento que a imprensa esportiva vem dando ao caso.

Em uma situação como essas, em que ambas as teses, antagônicas, são sustentáveis, não se pode tratar a adoção de qualquer delas como "imoral"', "absurda" ou "desonesta". Não cabem veias inchadas e passionalismo aqui.

E, como dito, a tese mais tranquila, menos arrojada - e que, portanto, deveria gerar menos polêmica - é a simples aplicação do regulamento, em sua literalidade.

Anônimo disse...

Acredito que estamos muito próximos a ver o fim do futebol brasileiro. Com as "labanças" que a despreparada, senão, corrupta, CBF, tem cometido nos últimos anos o término estapafúrdio do Campeonato Brasileiro série A deste ano seguiu os caminhos tortuosos que vem sendo plantados há mais de trinta anos. Desde que me conheço como gente não há claras intenções no futebol brasileiro. Alguns dizem ser armações ou coisa parecida. Mas talvez não estejam pensando bem sobre o que se tem feito. Por questões politicas, decididas nos bastidores, as regras dos campeonatos mudam todos os anos. Já houve inúmeros rebaixamentos anulados ou decisões de tribunais desportivos que salvaram clubes de massa. Errado? talvez, mas vejam o outro lado da moeda. Nos EUA e Europa, onde o que manda é o espetáculo, as ligas tomaram conta da organização dos torneios e campeonatos nacionais. Os campeonatos mais rentáveis e emocionantes do mundo são organizados por Ligas de times e não por Confederações. Alguém acha ruim a regra da NBA? Lá não há queda de grandes equipes que investem no esporte. Ou até a regra da UEFA que privilegiam os grandes. Temos que pensar em estádios cheios, times grandes, campeonatos curtos, torneios mata-mata, fim dos estaduais e criação de regionais fortes, fim da queda de equipes de massa. e a mudança de calendário equiparando ao europeu. Do jeito que está os clubes brasileiros ficarão endividados, cheios de jogadores de segunda linha, os estádios vazios, clássicos que não valem nada, ingressos caríssimos. Só mudando totalmente sobreviveremos. Ou não seremos mais campões de nada!

Anônimo disse...

Sinto muito aos puristas do futebol, mas se assim continuar,teremos um campeonato série A, daqui há uns dez anos, com uns quinze clubes inexpressivos, como, me desculpem os torcedores, a Chapecoense, o ICASA, etc. Adeus estádios cheios, times brasileiros vencedores de torneios internacionais, etc. E meu aviso se estende aos clubes e ao futebol sul-americano. Onde estão Boca Juniors, Penharol, River Plate, Nacional, etc. Quase mortos, falidos, fracos... Como está a situação financeira dos clubes gigantes brasileiros? Salvo Corinthians que está bem agora (mas logo logo vai aparecer totalmente endividado) os maiores estão asfixiados. Temos que urgentemente criar a Liga ou transformar o Clube dos Treze em uma Liga Oficial e dar adeus à CBF. Ou será o fim! Quem viver, verá!

Anônimo disse...

Vejam uma opinião sensata, no meu entender...

"Rebelo é favorável à criação de liga dos clubes de futebol"

Fonte: blog do Luis Nassif

"Sugerido por Assis Ribeiro

Do Correio Braziliense

E o ministro se rebelou...

Em resposta ao Correio durante entrevista pela internet, Aldo Rebelo incentiva os clubes a criarem uma liga inspirada nos modelos europeus, diz que a CBF deve se dedicar apenas à Seleção e defende calendário unificado ao do Velho Continente

Na opinião de Aldo Rebelo, a diminuição do número de jogos na temporada exige discussão imediata

Marcos Paulo Lima

Aldo Rebelo não tem poder de voto na eleição de abril do ano que vem à presidência da Confederação Brasileira de Futebol, mas fez pelo menos duas reivindicações revolucionárias em um bate-papo pela internet com blogueiros. Questionado pelo Correio sobre a preferência dele em caso de um duelo entre o mandatário da Federação Paulista e vice da CBF pela região Sudeste, Marco Polo del Nero, e o ex-manda-chuva do Corinthians, Andrés Sanchez, o ministro do Esporte ficou no muro. Ouço falar da candidatura do doutor Marco Polo Del Nero e outra do ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez. Se as duas candidaturas estão postas ou se surgirá uma terceira eu não tenho informação, mas nós não pretendemos interferir nessa eleição", afirmou.

O político alagoano não assume o papel de cabo eleitoral, mas tem na ponta da língua pelo menos duas exigências ao sucessor de José Maria Marin. Indagado pelo Super Esportes sobre a transformação do Campeonato Brasileiro em uma liga, como ocorre na Europa, Aldo Rebelo praticamente incitou os clubes a racharem com a CBF. "Sou favorável à criação de uma liga dos clubes. Onde houve a criação, houve um aproveitamento muito melhor das potencialidades dos clubes, das marcas, dos torneios que eles disputam", argumentou o ministro.

Na opinição de Aldo Rabelo, a entidade que organiza atualmente o Brasileirão deveria se preocupar tão somente com a Seleção. "Acho que os clubes brasileiros deveriam organizar uma liga, lutar pelos direitos deles. A CBF cumpre o papel dela de regulamentação do futebol, cuida da Seleção Brasileira, e os clubes deveriam cuidar melhor dos próprios interesses. Acho que uma liga ajudaria a defender e a projetar melhor os desejos dos clubes no país e fora do Brasil", reforçou.

O futuro presidente da CBF também ouvirá de Aldo Rabelo argumentos em defesa da unificação do calendário do futebol brasileiro ao europeu. No Velho Continente, a temporada é disputada de agosto a maio. "Nós conversamos com a CBF sobre isso. Há parte dos clubes que jogam três meses por ano e depois passam nove sem disputar uma competição. Há uma queixa de outra parte dos clubes por conta de um calendário acima do europeu (com número excessivo de jogos), que expõe jogadores a lesões. Há quem queira folga no calendário para fazer pré-temporada e excursão ao exterior. O governo tem interesse em participar da discussão e racionalizar nosso calendário para que ele torne a vida econômica e a exposição das marcas de nossos clubes algo mais competitivo em relação ao futebol europeu", disse."

Walter Franco Júnior disse...

Venho por meio desse veículo de comunicação informar a minha grande, vou frisar, grande insatisfação com alguns profissionais da mídia. Será que podemos chama-los de profissionais? Sair de casa com a camisa do Fluminense hoje em dia é complicado. Infelizmente, vivemos em um país onde a maioria das pessoas é imoral. O “massacre” da mídia sobre o Fluminense não desmente esse fato. “Grandes defensores de furadores de filas”, isso sim! A partir do momento em que se participa de uma empresa ou instituição, o indivíduo que nela está presente, está sujeito ás ordens nela estabelecidas. O Fluminense cumpriu o regulamento exigido no meio que ele está integrado. E os clubes Portuguesa e Flamengo? Coitados! Não sabiam que escalar jogador com suspensão é contra a regra? Descumpridores da regra defendidos por profissionais sem ética. Um erro que em minha opinião é infantil. O Fluminense não foi favorecido! Com a perda de pontos por descumprirem as regras Portuguesa e Flamengo diminuíram o saldo de quatro pontos cada um, diminuindo assim, suas pontuações. Se o Fluminense não tivesse vencido a última rodada do brasileirão no jogo contra o Bahia não estaríamos, hoje fora do rebaixamento. Se tivéssemos terminado o campeonato com 43 ou 44 pontos, mesmo com o critério de desempate, hoje, nós que estaríamos rebaixados. Talvez, nessa situação imaginária a mídia não tivesse “pego no pé do Fluminense”.
Quero deixar bem claro que o Fluminense cometeu vários erros durante o ano o que resultou em uma péssima campanha em 2013. O meu sentimento dentro da moral é que o Fluminense foi rebaixado. Não foi pelos esforços próprios que o Fluminense continuou na Séria “A”, mas sim pelo erro no cumprimento do regulamento por parte de dois clubes brasileiros: Portuguesa e Flamengo.

Anônimo disse...

Comentando sobre Fábio Sormani:

O parcial e tendencioso estagiário do site Terra Fábio Sormani, depois de avacalhar a justiça, o Ministério Público, o Fluminense, o Flamengo, a CBF e o STJD, volta a ter "esperança" e comemora possível ação de entidade de defesa do consumidor. O tal aspirante a jornalismo ainda não entendeu que eventuais medidas liminares são medidas provisórias. E mesmo assim, ao que tudo indica, as medidas favoráveis a Portuguesa são obtidas somente em uma mesma vara da justiça de São Paulo. O cara é um completo estúpido e alguém que exacerba em seu ódio contra o Fluminense e contra o Rio de Janeiro.