domingo, 3 de março de 2013

Fluminense 2 x 3 Vasco da Gama. Sem comentários!

A comemoração que de nada adiantou.  (foto: Cleber Mendes / Lancepress)


Não há muito que comentar quando os fatos por si só se explicam.

Não é de hoje que comentaristas, tricolores ou secadores batem sempre na tecla de que a defesa tricolor mais parece um queijo suíço.

Conseguiu por duas vezes ser a menos vazada nos campeonatos nacionais de 2010 e 2012 é verdade, simplesmente pelo fato de na maioria dos jogos, ter apresentado goleiro, meio de campo e ataque exuberantes.

Agora, a queda acentuada do Deco, cujas atuações não chegam nem perto daquelas realizadas no ano passado, a ausência de um substituto a altura e a falta de ritmo de Wellington Nem e Fred nesse início de temporada foram suficientes para demonstrar que é muito fácil ganhar do Fluminense.

A derrota para o Grêmio já tinha sido o aperitivo e a perda da classificação para o time do Vasco, sem desmerecer a grandeza do clube, formado esse ano praticamente de um "cata-cata", dispensa qualquer avaliação adicional.

A zaga, ou seja, Gum falhou em dois gols. No primeiro errou duas vezes, cortando mal uma bola, lance parecido com aquele contra o São Paulo no campeonato passado, só que dessa vez com a cabeça e a seguir não conseguindo sequer acompanhar o Bernardo para pelo menos atrapalhar a sua conclusão.  

No terceiro gol, deixou Dedé livre para completar um cruzamento com um chute rasteiro, coisa difícil de ver.

Na entrevista, ao ser perguntado sobre os erros de marcação, Abel se eximiu de falar sobre falhas individuais em público, dizendo que iria debater o assunto internamente e que todos os atletas tinham crédito com ele.

É... também acho que tenha sido uma boa resposta. Só não acho justo crucificar somente o Gum pela derrota.  Já é de conhecimento geral que sem cobertura, ele é um desastre.

Nossos laterais contribuíram e muito para os gols vascaínos. Não sabem marcar, costumam tentar cercar os adversários e mesmo assim de longe, o que faz qualquer cruzamento sobre a área tricolor se transformar numa arma letal.

Nem é preciso adversário diferenciado, basta que qualquer um caia pelas laterais, direita ou esquerda, para ter uma avenida pela frente para fazer a jogada. Pode parar, pensar e repensar a jogada, porque sempre terá a certeza absoluta de que a marcação jamais o irá incomodar.

É inadmissível que se permitia dois cruzamentos sobre a área a dez minutos do fim depois do time ter obtido uma virada, que seria épica.

Abel tem que treinar muito esses laterais. Acho até que seria melhor passar a utilizar dois homens de marcação que não permitissem tanta facilidade para cruzamentos do que laterais que atacam sem objetividade e deixam demasiados espaços as suas costas.

Thiago Neves aos poucos volta a sua forma e comprova que não existe no elenco  ninguém em condições de ameaçar a sua titularidade, apesar da impaciência de alguns críticos inveterados.

Já quanto a Wagner, mais uma prova de não ser homem de criação. Tem sua utilidade, mas nunca para comandar a criatividade do meio de campo.

Urge que Abel repense a situação de Felipe, afinal ele foi contratado para suprir as ausências de Deco, mas sem jogar nunca terá condições físicas para entrar no time.

Contudo, nem tudo está perdido. Ainda existe a Taça Rio para a tentativa do bi.

Só não podemos é dar o mesmo mole contra os times pequenos, porque é muito mais confortável jogar com a vantagem do empate.

Além do mais, o foco agora está no Huachipato, adversário da próxima quarta-feira, quando qualquer resultado que não a vitória é inimaginável.

Espero que em vez de “rachões”, Abel treine posicionamento para a defesa e repense a formação do meio de campo, lembrando que nome não ganha jogo.

E para terminar, um recado para Peter e Celso: não desprezem o Conca, porque sem ele o penta brasileiro será impossível.

E DÁ-LHE FLUZÃO!


DETALHES:

Fluminense 2 x3 Vasco da Gama

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ); Data: 02/03/2012
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Auxiliares: Wagner de Almeida Santos (RJ) e Jackson Lourenço Massara (RJ)
Gols: Bernardo, aos 24';  Thiago Neves, aos 32';  Wellington Nem, aos 35';  Romário, aos 38' e Dedé, aos 41' do segundo tempo.
Cartão amarelo: Wellington Nem

Fluminense: Diego Cavalieri, Bruno (Wellington Silva, Intervalo), Gum, Anderson (Rhayner, 28'/2ºT) e Carlinhos; Edinho, Jean e Deco (Wagner, 20'/2ºT); Wellington Nem, Thiago Neves e Fred - Técnico: Abel Braga.

Vasco da Gama: Alessandro, Nei, Dedé, Renato Silva e Thiago Feltri (Romário, 38'/2ºT); Abuda (Fellipe Bastos, 28'/2ºT), Wendel, Pedro Ken e Carlos Alberto; Bernardo e Eder Luis (Dakson, 36'/2ºT) - Técnico: Gaúcho.

3 comentários:

Júllio Machado disse...

Bem nessa. ótima análise.
Abraços tricolores!

Anônimo disse...

cara essa zaga é sacanagem não cara eu não sei como esses caras ainda estão no fluzão

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkk
vc falou tudo zaga fraca
meio campo jean parou de jogar
ataque fred e nem não estão bem
e o goleiro não esta sendo o goleiro do ano passado
mais o principal conca precisamos muito dele ele chegando muda o time
ole ole ole ola conca conca!!!!!!!